terça-feira, 15 de abril de 2008

Faróis


Onde a terra acaba e o mar começa
Costa norte de Portugal - 1920

Quem por norma nutre especial carinho por navios, de igual forma se apaixona pelas torres que iluminam o mar, com os seus brilhantes flashes de luz. Volvidos quase noventa anos, algumas dessas torres permanecem firmes, outras foram substituídas por se revelarem precárias ou inúteis, insuficientes para guiar a bom porto os operários do mar.
Serviram durante muitos anos, para melhorar as condições de uma costa difícil (dark ling, para os Ingleses e costa negra para os da casa), propícia a naufrágios e varrida por fortes temporais. Mais a norte na vizinha Espanha, fica a costa da morte, continuação trágica dum litoral com apenas um local de abrigo, na pequena enseada de Caminha. Nada mau se nos lembrarmos que o único farol existente durante dois séculos e meio foi o de S. Miguel-o-Anjo, na foz do Douro e uns quantos fachos iluminados a velas ou pequenas lamparinas.
Podemos pensar, admitir e até concluir que também neste caso o futuro veio tarde, mas chegou...

Farol da Ínsua - Caminha
1º farol da costa Portuguesa
1886
41º51'28''N - 08º52'26''W


Colocado no forte da Ínsua, a 1 Km da foz do rio Minho.
Suportes de ferro e guarita em vermelho.
Visível de 324º a 204º por E. Próximo da guarita E do forte, acende-se uma luz, fixa, branca, para serviço de pescadores, a qual somente se avista do interior do porto de 196º a 263º.

Farol do Castelo de S. Tiago - Viana do Castelo
1878
41º41'15''N - 08º50'16''W


Colocado no ângulo WSW do Castelo de Santiago.
Torre circular de ferro vermelha, cúpula branca.
Visível de 241º a 151º pelo Norte. Luz branca, ilumina todo o horizonte. A direcção da luz assinala o canal a Sul do rio Lima, passando pelo Este da pedra Roncador.

Farol do Regufe - Póvoa de Varzim
1892
41º22'24''N - 08º45'11''W


Torre trípode de ferro, pintada de vermelho, junto à linha férrea, perto da casa do salva-vidas das Cachinas, acende luz vermelha quando há pescadores no mar.

Farol da Boa Nova - Leça da Palmeira
1919
41º12'00''N - 08º43'00''W


Torre quadrada branca terminada com lanterna verde, com luz branca fixa, próximo à povoação de Leça da Palmeira, cerca de 1 milha e 1/4 ao Norte do porto de Leixões. Esteve oito anos em ensaios, findos os quais foi abandonado e mais tarde demolido, procedendo-se à construção do farol actual.

Farol do Monte da Luz - Foz do Douro - Porto
1758 (?)
41º09'11''N - 08º40'34''W


Colocado no monte da Luz junto à ermida do mesmo nome, era uma torre quadrangular, tendo no topo uma lanterna verde, que disparava relâmpagos brancos a cada 5 segundos. Já desactivado em 1929, por troca com o farol do molhe de Felgueiras, foi mantido o edifício onde esteve instalado o posto semafórico de serviço aos portos do Douro e Leixões.

3 comentários:

Rui Amaro disse...

Olá Reimar
LINDO, LINDO, LINDO!
A madrinha do meu filho mais novo, o irmão (também foi faroleiro) e a mãe deles, como se compreende acompanhavam o pai, que como faroleiro fez estação em quase todos os faróis da costa Portuguesa desde a foz do Minho até à barra do Guadiana. Dizia ela, que os faróis onde passaram as maiores privações e fome nos dias prolongados de mau tempo e maresia, foram os do Forte da Ínsua de Caminha e o das Berlengas, que pelo seu isolamento impedia qualquer abastecimento desde Caminha ou Peniche.
Muitas vezes assisti tanto o pai como o irmão, que prestavam assistência aos faróis e farolins da Foz do Douro, a dirigirem-se ao Farolim da Barra, com o mar a atravessar o molhe de Felgueiras, sujeitos a serem levados pela forte ondulação ou em dia do nevoeiro a adensar-se irem accionar a sineta de nevoeiro, que por acaso se escutava a razoável distancia. Aquela família residiu alguns anos nas instalações do extinto farol/capela do Monte da Luz, que como sabes é bastante distante dos faróis aqui da Foz. E durante a noite, em caso de nevoeiro, lá tinham de percorrer a pé a enorme distancia.
Não se compreende terem demolido o primitivo farol da Boa Nova, ali tão pertinho da Capelinha da N.S.da Boa Nova, que poderia ter sido preservado como monumento.
Acho, que deverias inserir o farol/ermida de S. Miguel-o-Anjo, aqui na Cantareira da Foz, por ser o mais antigo da Península, senão da Europa.
Até Já.
Rui Amaro

J. Teixeira de Aguilar disse...

Estes temas, por vezes tão mal tratados merecem o apuro de um blogue assim, pelo qual o felicito.
Poderá elucidar-me sobre o sítio onde desencantou as fotografias dos faróis de Nossa Senhora da Luz e da Boa Nova, que tenho andado a procurar mais ou menos em vão?
J. Teixeira de Aguilar

reimar disse...

Caro Sr Teixeira de Aguillar,

As imagens tem aparecido um pouco por acaso. Os postais vão aparecendo numa casa especializada no Porto (infelizmente são caros)... As fotos aparecem na casa de alguns amigos e também fazem parte da minha colecção. Normalmente trabalho um pouco as imagens para posterior edição no blog, face à importância que lhes reconheço.
Cumprimentos, Reimar