domingo, 27 de Julho de 2014

Op Sail' '76


A operação "Sail" de grandes veleiros em 1976,
nas comemorações do bicentenário da cidade de Boston
2ª Parte

"Dar Pomorza", da Polónia
"Eagle", da Guarda Costeira Americana
"Sagres", o principal embaixador nacional
"Libertad", da Argentina

A operação “Sail”, de 1976, viria a revelar-se num exemplo fantástico de colaboração entre empresas privadas, que em conjunto foram o suporte financeiro da celebração do bicentenário. Deve ser feita justiça aqueles que voluntariamente colaboraram na angariação de fundos, oferecendo o seu tempo e dinheiro para que a operação tivesse sucesso.
É verdadeiramente notável, que um evento desta magnitude pudesse ser executado através da colaboração com um largo número de países, pessoas e organizações. É também o tributo à compreensão internacional revelado através dos participantes, face ao trabalho realizado directamente entre pessoas, ou grupos, oriundos de diferentes partes do globo.
Foi, enfim, o resultado que justificou em pleno o projecto de celebração das comemorações do bicentenário, na tradicionalmente marítima cidade de Boston.

sexta-feira, 25 de Julho de 2014

Op Sail' '76


A operação "Sail" de grandes veleiros em 1976,
nas comemorações do bicentenário da cidade de Boston
1ª Parte

A regata iniciada no porto de Portsmouth, em Inglaterra, com escalas nos portos de Lisboa, Tenerife e Bermuda, propiciou o encontro de veleiros de grandes dimensões, oriundos de cerca de 30 países, no porto americano de Boston, para em conjunto colaborarem nas comemorações do bicentenário da cidade.
Desse evento há registo de algumas imagem dos navios, encabeçados pela fragata americana "Constitution", cuja localização à entrada do porto, serviu para dar as boas-vindas à frota internacional participante nas festividades.

"Constitution"
"Kruzenshtern", da Rússia
"Sir Winston Churchill", de Inglaterra
"Amerigo Vespucci", de Itália

quinta-feira, 10 de Julho de 2014

História trágico-marítima (CXL)


O naufrágio do iate “Valadares 4º”

Naufrágio e mortes
Caminha, 9 de Outubro – O iate “Valadares 4º”, procedente de Lisboa com carga da praça para este porto naufragou na noite passada nas alturas de Vigo, morrendo o mestre e mais quatro tripulantes. Salvaram-se apenas dois tripulantes, de nome Manuel Marques e João Salgado, naturais de Ílhavo.
(In jornal “Comércio do Porto”, terça, 10 de Outubro de 1893)

Identificação do iate “Valadares 4º”
Armador: José Maria Valadares, Caminha
Nº Oficial: N/tem - Iic: H.F.S.J. - Porto de registo: Caminha
Construtor: António José Gonçalves, Caminha, 09.08.1876
Arqueação: Tal 59,01 tons – 167,24 m3
Dimensões: Ff 18,90 mts - Boca 5,90 mts - Pontal 2,40 mts
Propulsão: À vela
Equipagem: 7 tripulantes

Nos jornais de Vigo vêm publicados diversos pormenores acerca do naufrágio deste navio, já referenciado na edição anterior do jornal, conforme notícias recebidas de Caminha.
O iate, arrastado pela corrente, e quando com mais fúria se desencadeava o temporal, foi de encontro às rochas das ilhas Cies, ficando despedaçado e desaparecendo imediatamente.
Eram 2 horas e meia da madrugada de Domingo. As ondas batiam com tremendo fragor nos penhascos da costa, e dos tripulantes do “Valadares 4º”, só dois restavam vivos. Um deles fôra lançado pelo mar sobre terra firme, mas o outro ficara metido entre os rochedos, com o corpo magoado, e sem poder fazer o mais insignificante movimento.
Quando amanheceu puderam dirigir-se para uma fábrica de conservas que há nas imediações onde se dera o naufrágio, sendo ali socorridos e fornecidos de roupas e depois conduzidos para Vigo.
A tripulação do iate compunha-se do mestre José Marques, de 54 anos de idade, do contra-mestre seu filho Manoel Marques, de 24 anos, e dos marinheiros Edmundo de Paula, António Brígido, António Teixeira e João da Cunha.
Salvou-se este último, que só tem 15 anos de idade, estando muito contundido. O outro que se salvou é o filho do mestre Manoel Marques, que ficou com o corpo muito ferido.
(In jornal “Comércio do Porto”, quarta, 11 de Outubro de 1893)

Na notícia do bota-abaixo deste iate em Caminha, sobre as águas do rio Minho, constata-se ter ocorrido no dia 9 de Agosto de 1876, pelas 5 horas da tarde, apresentando o novo navio 80 palmos de quilha. À sua queda na água, que se efectuou com felicidade, assistiram como sempre acontece em idênticas situações, bastantes espectadores. Esta informação está disponível no jornal “Comércio do Porto”, de Domingo, 13 de Agosto de 1876.

sexta-feira, 27 de Junho de 2014

Pesca do bacalhau


O naufrágio do lugre bacalhoeiro "Maria Carlota"
Continuação

Quadro com a imagem do salvamento dos náufragos
Pintura da autoria de Gunnar van Rosen
Comandante do navio "Charles A. Stafford"

Há nas muitas histórias por conhecer relacionadas com a pesca do bacalhau, casos e situações de tal forma insólitos, que por serem reais justificam em absoluto a sua publicação. Nesta circunstância, trata-se de na notícia publicada sobre como foi visto o salvamento dos náufragos do lugre “Maria Carlota” pelo capitão do navio americano, em cujo relato revela o reencontro de um antigo tripulante do navio bacalhoeiro, a bordo da baleeira do navio integrando a equipa de socorristas. Abaixo transcrevo essa notícia, que se explica por si, como segue:

ARMY SHIP RESCUES 31 FISHERMEN
New York - CP* - A back-breaking struggle with wind and waves in the tossing North Atlantic was yast another volunteer job to the seven lifeboat crewmen of the U. S. Army Hospital Ship Charles A. Stafford who rescued 31 Portuguese fishermen from a foundering schooner.
The report of the two and a half hour ordeal at the oars last Tuesday 640 miles southeast of Newfoundland was told yesterday when the Stafford docked here.
Two trips were made in waves 30 to 35 feet high to take off Capt. Antonio Fernandez Matias, master of the three-masted fishing vessel, Maria Carlota, and his crew of 30. Last to leave the schooner, the captain set it afire to sink it.

PUMPING AND PRAYING Capt Gunnar van Rosen, 63, of Brooklyn, master of the hospital ship said "I wasn't afraid we couldn't make it. I wouldn't have my men attempt anything if I didn't think I could do it personally. If the seas had been too rough, I would have rescued the men with a breeches buoy. "When we first hove to near her," Van Rosen said, "everyone on board was a-pumping and a-praying."
The master of the stricken ship said none of the men had slept' for 48 hours, because "we didn't dare relieve one man from his bailing duties.”

PERSONAL MISSION A radio message relayed from the Maria Carlota, Nov. 4, said she was in a sinking condition, her decks almost awash. Rescue craft were dispatched by the coast guard, and the British liner Queen Elizabeth changed its course to go to the schooner's aid. The Stafford reached the stricken ship in five hours and the other aid was recalled.
It was a personal mission to Proudencio Camacho, 31, of Queens, who pulled an oar in the lifeboat put out by the Stafford.
Half-way on the hazardous quarter-mile to the foundering ship, he learned it was the Maria Carlota, on which he had shipped in 1943 for voyages between Lisbon and the Grand Banks off Newfoundland. Nineteen of his former shipmates were aboard the sinking ship, he learned later.

RETURN ARRANGED The 31 Portuguese were expedited through the Immigration Naturalization Service, and will be housed at the Seamen's Church Institute until Nov. 14 when a Greek liner, the Nea Hellas, will take them to Portugal.
The rescued seamen told through an interpreter that some of Camacho's former shipmates recognized him as he strained at an oar in the lifeboat, and a cry went up: "Look who comes to rescue us. He is the answer to our prayers."
One of those at the oars of the lifeboat was Joseph Daly. 67, a short, stocky boatswain's mate, of Cliffside Park. N. J. Daly, who had two sons in the navy and one in the army in World War II, has been at sea since he was 14 years old.
(In “Binghamton NY Press Grayscale, 1947)

terça-feira, 24 de Junho de 2014

Imagens do dia


A habitual regata de barcos rabelos em dia de S.João

Vivemos um tempo de confrontações a vários níveis. Entre outras, temos a Primavera versus Verão, e o S. Pedro versus S. João, num dia que merecia um pouco de sol. A chuva que caiu copiosa sobre a cidade, atrapalhou em boa parte o percurso da regata, que este ano teve início às 13 horas, limitando em larga escala a presença dos curiosos em ambas as margens do rio.



Mesmo assim, ainda estiveram presentes muitas centenas de pessoas, obviamente protegidas por blusões apropriados e pelos respectivos chapéus de chuva, que tiveram o condão de ajudar a colorir este dia desagradavelmente cinzento.



Estiveram presentes à partida 14 barcos rabelos, em representação das empresas Porto Cruz, Dow's, Sandeman, Cálem, Graham's, Warre's, Kopke, Cockburns, Barros, Dalva, Offley, Taylor's, Rozés e Ferreira, que subiram o rio no seu característico andar lento, desde a enseada de Sampaio até ao cais de Gaia, num trajecto que demora cerca de 45 minutos a percorrer.



Chegados ao final da corrida, para nós é mais importante ver cumprida uma tradição, neste dia de S. João, do que enumerar os mais velozes, ou neste caso, os menos lentos. Fica uma vez mais a certeza que o vencedor foi novamente a cidade, com a presença estática no rio destas embarcações míticas, em novas colecções de bilhetes postais e muito provavelmente já hoje, através das muitas imagens recolhidas, que irão popular nas diversas redes sociais.

segunda-feira, 23 de Junho de 2014

Imagens do dia


Embarcações de pesca vistas no dia
18 de Junho -, no porto de Leixões

Por duas vezes no mesmo dia, em curtos períodos de tempo, tivemos a oportunidade, certamente rara, de ver passar frente ao local onde nos posicionamos, uma muito razoável quantidade de embarcações de pesca costeira, algumas delas como se percebe a pescar com rede de cerco (sardinha, carapau ou cavala).
Ficamos incrédulos com o resultado quando à posteriori estivemos a ver as fotos de cada um destes barcos, tendo ficado deliciados com o resultado. Muitos deles são muito bonitos e ressaltam de forma significativa através das cores vibrantes utilizadas no adorno dos cascos.
Sugere inclusive, que na foto de cada barco está o rosto e a personalidade do seu mestre e da campanha que o acompanha diariamente, na descoberta das águas onde prolifera o pescado, para satisfação gastronómica dos seus variados apreciadores.
Para todos eles, águas safas e boas pescarias!...

"Camacinhos"

"Damata" e "Mar Cáspio"

"Duas Estrelas"

"Estrela do Oceano"

"Henrique Cambola"

"Herança de Deus"

"Mar da Granja"

"Mar Pacífico"

"Mestre Coentrão"

"Miguel Alexandre"

"Nanci-Mar"

"Orlando Eugénio"

"Pedro André"

"Pérola do Mar"

"S. Pedro Pescador"

sexta-feira, 20 de Junho de 2014

Imagens do dia


Navios vistos no dia de anteontem - 18 de Junho -,
no porto de Leixões

Navio de passageiros "Mein Schiff 3" à chegada a Leixões, em
viagem inaugural após cerimónia que teve lugar no passado dia 12

Iate de recreio dinamarquês "Spaniel"

Iate de recreio inglês não identificado

Rebocador portuário "Prometeu"

Navio porta-contentores "Arx"

Navio porta-contentores "Niledutch Cape Town"

Navio porta-contentores "Judith Borchard"

Navio porta-contentores "Rachel Borchard"

Navio tanque "Prospero"

Navio de passageiros "Mein Schiff 3"
Em viagem de cruzeiro entre a Corunha e Lisboa