terça-feira, 24 de março de 2020

Divulgação!


Associação GANNO
Grupo de Arqueologia Naval do Noroeste
Newsletter nº. 8


Está previsto para muito breve a publicação no respectivo blog, da mais recente newsletter da Associação GANNO, contemplando os seguintes temas: Devolver às comunidades as embarcações tradicionais; Buzina: O som que salva; Acções de Companhias de Navegação Portuguesas; O patinho feio dos Açores brilha na Noruega; Leixões, História e imagens dum porto de mar; Notas sobre a última Assembleia Geral da Associação e o habitual Escaparate.
A consulta destes assuntos deve ser realizada através do sítio «associacaoganno.blogspot.com»

terça-feira, 10 de março de 2020

Leixões na rota do turismo! (Fev/20)


Navios em porto no mês de Fevereiro

Tal como aconteceu no mês anterior, foram poucos os navios que estiveram de visita ao porto, porém, como disse anteriormente, vai seguramente valer a pena esperar pelas novidades a curto prazo.

Navio de passageiros "AidaCara"
No dia 1, veio procedente de Lisboa, tendo saído para a Corunha

Navio de passageiros "AidaMar"
No dia 22, veio procedente de Lisboa, seguindo para o Ferrol

sexta-feira, 6 de março de 2020

Divulgação!


Conferência do Seminário do Mar
10 de Março - 17.00 horas
Europeízação dos Mares Regionais ou Regionalização
das Políticas da UE?


segunda-feira, 2 de março de 2020

Leixões na rota do turismo! (Jan/20)


Navios em porto no mês de Janeiro

O ano começou com um navio de visita a Leixões, parecendo antecipar mau presságio, que na realidade não se confirma, bem pelo contrário.
Com o decorrer dos próximos meses, a tendência aponta para um aumento no número de escalas, com navios em visita inaugural. Teremos é de aguardar, já que o mês de Abril vai brindar o porto com algumas novidades. E nós cá estaremos para ver!

Navio de passageiros "Magellan"
No dia 12, veio procedente da Corunha, saindo para St. Peter Port

segunda-feira, 17 de fevereiro de 2020

História trágico-marítima (CCCIV)


O naufrágio do lugre "Silvia"
próximo à praia da Aguda, em 5 de Novembro de 1935

No mar
Esteve em perigo o lugre português “Silvia” - A tripulação
abandonou o navio sendo salva pelo rebocador “Mars 2º”
Devido ao forte vento e impetuosidade do mar, que assolaram violentamente a costa, deve-se um sinistro, ao largo, entre Miramar e a Granja, que poderia ter consequências gravíssimas, se não fosse a prudência dos marítimos em perigo. O caso que se relata em poucas linhas, passou-se com o lugre português “Silvia”, pertencente a Aveiro, mas registado na praça do Porto.
O “Silvia”, magnífico lugre empregado no serviço de cabotagem, saíra de Setúbal na passada quinta-feira, com um grande carregamento de sal, consignado à firma António Carlos da Silva Reis, da rua da Alfândega, no Porto.
A viagem decorreu normalmente até próximo de Espinho, onde chegou no Domingo, ao princípio da tarde. Navegando sempre, em direcção ao Porto, foi, pouco depois, obrigado a lutar com a fúria dos elementos – vento contrário e muito mar.
Durante quase toda a viagem foi impulsionado por vento O.S.O. (Oeste, sudoeste), sendo assaltado pelas 18 horas, por uma brusca viração a N.N.W. (Norte, noroeste). O mar, favorecido pela violência do vento, começou, então, a impeli-lo para a costa, à vista das praias da Granja, da Aguda e de Miramar.
Momento de perigo
Os tripulantes do lugre, empregaram-se activamente, nas manobras de o pôr a salvo. De terra ninguém se apercebia do perigo, e embora tarde – meia-noite já – decidiram colocar a bandeira branca a meia adriça e lançar o primeiro ferro de que dispunham.
O lugre, cedendo cada vez mais, descaía para terra de maneira assustadora. O perigo aumentava, e lançando o terror nas oito vidas em jogo, naquele momento de difícil salvação as correntes rebentaram.
O capitão do “Silvia”, António Nunes (o Bom), velho e experimentado lobo do mar, reanimou os seus homens. Mais um ferro foi lançado – o ancorete – o último que existia a bordo. A borrasca não passava, sendo o convés varrido de lado a lado pelas vagas alterosas, que se desfaziam, com fragor, contra o casco do lugre condenado.

Desenho de um lugre, sem correspondência ao texto

Características do lugre “Silvia”
1934-1935
3 mastros, proa de beque, popa redonda, com 1 pavimento
Armador: Empresa Marítima do Norte, Lda., Porto
Nº Oficial: N/d - Iic: C.S.K.D. - Poto de registo: Porto
Construtor: José Dias dos Santos Borda Júnior, Fão, 1.9.1917
ex patacho “Palmira”, José J. Gouveia, Porto, 1917-1919
ex patacho “Nazareth 3º”, Soc. Srª. da Nazaré, 1919-1919
ex patacho “Duarte”, Soc. Srª da Nazaré, 1919-1924
ex lugre “Srª dos Navegantes”, Soc. Srª da Nazaré, 1924-1927
ex lugre “Silvia”, Agualuza & Batata, Lda., Aveiro, 1927-1934
Arqueação: Tab 227,25 tons - Tal 173,55 tons
Dimensões: Pp 32,80 mts - Boca 8,30 mts - Pontal 3,00 mts
Propulsão: À vela
Equipagem: 8 tripulantes
O salvamento dos tripulantes
De manhã, cerca das 8 horas, como se não modificasse a situação do lugre, os seus tripulantes resolveram abandoná-lo, tomando lugar no pequeno bote de bordo, mantendo-o em equilíbrio à força de remos, não querendo perder o “Silvia” do alcance da vista. No entanto, passadas duas horas de incerteza e de desfalecimento físico, apareceu o “Mars 2º”, sob o comando do mestre Francisco Rosa, que saíra de Leixões para os socorrer.
Como se revelasse impossível aproximar-se do navio, para o rebocar, o “Mars 2º” passou um cabo ao bote com os náufragos, conduzindo-os, em seguida, para Leixões, onde chegaram, ontem, às 11 horas.
A tripulação do “Silvia” era composta por: capitão, António Nunes, de 65 anos, de Ílhavo; contra-mestre António Carreira, de 61 anos, da Figueira da Foz; marinheiros: António Nunes Júnior, de 30 anos, José Batista Coelho, de 29 anos, e João Santos Malaquis, de 25 anos, todos de Ílhavo e José Vinagre, de 44 anos, de Vila Nova de Gaia; cozinheiro Ildefonso Imaginário, de 30 anos e o moço José Batista Caramonete, de 24 anos, ambos também de Ílhavo.
Notas diversas
O lugre “Silvia” pertence a uma sociedade que é representada, no Porto, pela Empresa de Navegação e Comércio. Em socorro do “Silvia”, saiu, também de Leixões, o salva-vidas a motor “Carvalho Araújo”. O navio está no seguro, não tendo os tripulantes conseguido salvar mais do que as roupas que tinham vestidas no corpo.
Se o tempo e o mar melhorarem, e se não partir a amarra do ancorete que lançaram, é possível que o “Silvia” possa salvar-se, e para esse efeito deve sair de Leixões, hoje de manhã o “Carvalho Araújo”.
. . . . . . . .
O lugre “Silvia” abandonado pela tripulação, já foi desfeito pelo mar. Não resistindo ao violento embate das ondas, desfez-se contra a costa, próximo da Aguda. O mar tem arrojado à praia em Miramar, Aguda, Granja e Espinho destroços do lugre, que são recolhidos e guardados pela Guarda Fiscal.
Jornal de Notícias, 7 de Novembro de 1935

sábado, 15 de fevereiro de 2020

Leixões na rota do turismo! (15-19)


Navios em porto no mês de Dezembro

Apenas dois navios fizeram escala em porto neste mês, situação idêntica aos anos anteriores. Neste ano de 2019 Leixões recebeu a visita de 98 navios de passageiros, sendo os meses de Abril, Maio e Outubro os mais concorridos, com 18 escalas cada.
Para 2020 as perspectivas apontam para um aumento de navios e passageiros, porém, como sempre acontece, as escalas estão sempre dependentes das condições de tempo e mar, pelo que se espera por uma excelente colaboração metereológica.

Navio de passageiros "Black Watch"
No dia 4, veio procedente de Lisboa, saindo para Liverpool

Navio de passageiros "Saga Sapphire"
No dia 6, veio de Casablanca, saiu para Southampton

quarta-feira, 5 de fevereiro de 2020

Divulgação!


Conferência do Seminário do Mar
A proteção da biodiversidade marinha:
Regime jurídico e perspectivas atuais"
Drª Marta Chantal Ribeiro