segunda-feira, 2 de maio de 2016

Leixões na rota do turismo!


Mais dois navios de passageiros no primeiro dia de Maio

Os navios de passageiros "Seabourne Quest" e "The World", são os primeiros dois paquetes dos 14 previstos para visitar o porto, no decorrer do presente mês. Não são esperados neste período navios a realizar primeiras escalas em porto, salvo uma ou outra excepção, que ainda não tive oportunidade de confirmar.




Imagens do navio de passageiros "Seabourne Quest", em cruzeiro com turistas americanos, em pleno périplo ibérico. Chegou procedente de Lisboa, tendo seguido viagem para o porto da Corunha.




Também imagens do navio-residência "The World", que se encontra em porto desde ontem e que após uma mais prolongada estadia, deverá continuar viagem a partir de amanhã, terça-feira, cerca da meia-noite. O "The World" chegou proveniente de Lisboa, seguindo viagem para o porto de Santander.

sábado, 30 de abril de 2016

Leixões na rota do turismo!


Mais dois navios fecham o mês de Abril

Neste último dia do mês, renovou a escala no porto de Leixões, o navio de passageiros "Silver Explorer", e simultaneamente deu-se a visita do "Viking Sea", pela primeira vez e praticamente novo, por ter saído recentemente do estaleiro construtor.




Imagens do navio de passageiros "Silver Explorer", que deu entrada no porto a meio da manhã, tendo chegado procedente de Lisboa, continuando a viagem ao final da tarde, com destino ao porto de Vigo.




Também algumas imagens do novo navio de passageiros "Viking Sea", chegado relativamente cedo esta manhã, procedente de Lisboa, saindo igualmente com destino ao norte de Espanha, para visitar o porto da Corunha.

sexta-feira, 29 de abril de 2016

Leixões na rota do turismo!


Nova visita ao porto do "Saga Pearl II"

Está presentemente a decorrer uma agradável azáfama de escalas no porto, neste fim de mês, com a vinda de interessantes navios de passageiros, muito embora alguns deles sejam repetentes. Porém, esse facto perde relevância, sempre que um considerável espaço da área portuária, se enche de cor e movimento.




Hoje, foi ocasião para constatar do regresso a Leixões do navio de passageiros "Saga Pearl II", que chegou cedo, procedente de Pasajes, para voltar a Espanha, partindo ao final da tarde com destino ao porto de Vigo.

quarta-feira, 27 de abril de 2016

Leixões na rota do turismo!


O regresso do "Rotterdam"




O navio de passageiros holandês "Rotterdam" da Holland America Cruises esteve hoje de regresso ao porto, numa curta escala de poucas horas, tendo chegado proveniente da Corunha, continuando a presente viagem de cruzeiro com destino ao porto de Cadiz.

terça-feira, 26 de abril de 2016

História trágico-marítima (CLXXXVIII)


O naufrágio da barca “Glama”

Por notícias recebidas na cidade do Porto, veio a informação que a barca “Glama” teria naufragado no canal da Florida, em frente de Key West, em Maio de 1905, quando em viagem de Nova Orleães para o Porto, com carregamento de madeira.

A barca "Southern Cross", antes de alterar o nome para "Glama"
Imagem da Photoship.Uk - Foto de autor desconhecido

Características da barca “Glama”
1896-1905
Armador: Glama & Marinho, Lda., Porto
Nº Oficial: N/t - Iic: H.B.L.M. - Porto de registo: Porto
Construtor: Curtis, Smith & Cushman, East Boston, 09.1868
ex “Southern Cross”, Edward Lawrence Jr., Nova York, 1868-1896
Arqueação: Tab 1.139,71 tons = 3.225,270 m3 – Tal 1.087 tons
Dimensões: Pp 53,85 mts - Boca 11,40 mts - Pontal 7,01 mts
Propulsão: À vela
Capitães: Vasco ? (1895 a 1898) e João Simões Paião (1899 a 1905)

Naufrágio
Por telegramas recebidos ante-ontem nesta cidade, soube-se que naufragou em frente de Key West, no canal de Florida, a barca “Glama”, que se perdeu completamente. A tripulação conseguiu salvar-se, sendo-lhe prestados prontos socorros.
A “Glama” vinha em viagem de Nova Orleães para o Porto, com carregamento de aduelas, consignado aos srs. Fonseca Dias & Comandita, desta cidade.
Tanto o carregamento como o casco estavam seguros, aquele numa companhia de Londres e este em outras de Lisboa e Porto.
A barca “Glama” pertencia aos comerciantes da praça do Porto, srs. Glama & Marinho.
(In jornal “Comércio do Porto”, 22 de Maio de 1905)

domingo, 24 de abril de 2016

Retratos do Portugal marítimo!


Odisseia marítima
O “Famalicão 3º” só apareceu ao cabo de 4 meses, após
ter realizado uma viagem com partida de Viana do Castelo

Arribou há três dias a Setúbal o iate “Famalicão”, que no dia 19 de Outubro tinha levantado ferro de Viana do Castelo, para Santa Cruz de Tenerife, com 220 toneladas de madeira.
Em consequência da demora por falta de notícias, o barco e a tripulação já haviam sido dados como perdidos, devido ao temporal.
O Sr. António de Oliveira da Velha, comandante do “Famalicão”, que é um barco de vela, com 7 homens de tripulação, conta assim a triste odisseia porque passaram:
- Em quantos dias fez a viagem? - perguntou-lhe um jornalista.
- Em 5 meses.
- Apanhou muito temporal?
- Se tivesse feito as derrotas com tempo favorável, devia ter gasto uns 45 dias, na ida e na volta. Sou marítimo há 29 anos, e não me lembro de apanhar um temporal como este último.
- Onde o apanharam?
- Próximo da Madeira. O barco abriu água, que me obrigou a deitar metade da carga ao mar, a fim de evitar que o “Famalicão” soçobrasse e a tripulação perecesse. As bombas de esgotamento não deram vencimento à invasão da água.
- E depois?
- Consegui chegar a Santa Cruz de Tenerife, com 16 dias de viagem e 6 pés de água no porão. Em 9 de Novembro levantei ferro em direcção a Setúbal, com mantimentos para 15 dias. No dia 18, tinha a ilha da Madeira à vista. Aí começou outra tragédia. Faltaram-me os víveres no dia 28, à vista do Cabo de S. Vicente.
- E não tinham maneira de se abastecerem?
- Valeu-nos um vapor francês, que de uma forma cativante nos forneceu mantimentos. Em 6 de Dezembro pudemos alcançar o Cabo de S. Vicente.
A tripulação estava exausta de fadiga e de fome, tendo-nos valido um vapor italiano, que nos forneceu viveres para 3 dias. No dia 9 tivemos que pedir mantimentos a um vapor paraguaio, que nos deu uma cabeça de porco, tendo eu recusado mais géneros, por me encontrar próximo de terra.
Aqui, aumentou o nosso tormento. O navio começou a andar para trás, devido aos ventos contrários e a um tremendo temporal. Andamos três dias perdidos, sem uma pinga de água para beber, nem uma côdea de pão para comer. Mas Deus, não nos desamparou. No dia 15, conseguimos chegar à fala com um navio dinamarquês, que nos deu um saco cheio de pão e um barril com água.
- E a tripulação conseguiu vencer todas essas privações?
- Só por milagre voltamos. O pessoal já deitava sangue pela boca, devido ao constante trabalho, de estar dias e noites sem comer. Em 19 de Dezembro, encontrávamo-nos na latitude do Cabo de S. Vicente e na longitude da Madeira. Em 21, voltamos a pedir socorro a um vapor inglês, que nos deu 6 quilos de batatas e um barril de água. Disseram-nos, que se lhes déssemos vinho ou aguardente, nos davam mais viveres em troca.
Não quero nem recordar as privações, e o que foi essa viagem. Passei depois a não saber onde estava. Só no dia 26 veio um vento favorável, que me levou à Madeira, tendo os tripulantes recolhido ao hospital.
- Quando chegaram a Setúbal?
- Há 3 dias. As nossas famílias já se encontravam vestidas de luto, por nos considerarem mortos há muito tempo.
(In jornal “Comércio do Porto”, Domingo, 27 de Dezembro de 1927)

Imagem do iate "Famalicão 3º"
Foto de autor desconhecido

Características do ate “Famalicão 3º”
Armador: Brandão & Cª., Lda., Porto
Nº Oficial: B-171 - Iic: H.F:A:M. - Porto de registo: Porto
Construtor: Soc. Construções e Pesca, Lda., Fão, 30.03.1922
Arqueação: Tab 133,94 tons - Tal 100,79 tons
Dimensões: Pp 36,01 mts - Boca 7,04 mts - Pontal 3,12 mts
Propulsão: À vela
Equipagem: 7 tripulantes
Mestres embarcados: João Campos Pereira (1922 e 1923), António Oliveira da Velha (1924 até 1927) e Francisco da Silva (1929)

Depois de ter efectuado provas de mar, este navio partiu em Abril de 1922 para a Terra Nova, na sua 1ª campanha à pesca do bacalhau, que repetiria durante os três anos seguintes. Integrou posteriormente a frota de serviço comercial, efectuando viagens entre o Continente e as ilhas Adjacentes. Já com registo em Viana do Castelo, naufragou na posição 41º00’N 09º22’W, sob violento temporal, em 22 de Abril de 1930.

sábado, 23 de abril de 2016

Leixões na rota do turismo!


Nova escala do navio de passageiros "Amadea"





O navio de passageiros "Amadea" regressou ontem para visitar o porto, transportando a bordo um considerável grupo de turistas alemães. Chegou procedente da Corunha, tendo continuado esta viagem de cruzeiro com destino a Porto Santo.