sábado, 11 de Outubro de 2014

Imagens do dia!


Naturalmente, mais do mesmo...

Um navio de passageiros ontem, mais dois durante o dia de hoje, portanto há pouco para acrescentar ao escrito previamente, relativamente ao excelente desempenho da equipa da administração do porto, quanto aos resultados obtidos, em função do aumento regular de escalas de paquetes de cruzeiro, verificadas ultimamente, um rotundo sucesso na área do turismo.

O "Celebrity Infinity", voltou ontem novamente a Leixões,
em viagem desde Vigo, saindo com destino a Harwich

O "Oceana", já hoje,  fez a primeira visita neste ano,
chegando procedente da Corunha, tendo saído para Lisboa

E o "Fram", também hoje, de regresso ao porto,
em viagem desde Brest, saindo com destino a Las Palmas

quinta-feira, 9 de Outubro de 2014

Imagens do mês!


E vão cinco!

Que pena as condições meteorológicas não estarem a corresponder, para que, de forma mais harmoniosa, Leixões possa estar a receber condignamente quem nos visita.
Mesmo assim, os navios de passageiros continuam a fazer escalas pelo norte do país, com uma agradável regularidade.
Julgo, sem o poder afirmar, que destes últimos navios que estiveram em porto, somente o "Crystal Symphony" realizou a sua primeira visita às novas instalações portuárias, dado que os restantes são já clientes habituais.
Imagens dos visitantes, como segue:

No dia 3 o "Black Watch",
em viagem desde Vigo, tendo saído com destino a Lisboa

No dia 4 o "Crystal Symphony",
em viagem desde a Corunha, saindo também para Lisboa

No dia 7 o "Boudicca",
em viagem desde Vigo, tendo saído com destino a Greenock

No dia 8 o "Nautica",
em viagem desde Vigo, igualmente para Lisboa

Ainda no dia 8 o "Seven Seas Voyager",
procedente de Vigo, seguiu como os demais para Lisboa

segunda-feira, 6 de Outubro de 2014

Estação do I.S.N. de Leixões


Terminadas as obras de restauro das instalações

Teve lugar no dia 13 de Setembro a cerimónia de inauguração, das renovadas instalações da estação José Rabumba (o Aveiro), do Instituto dos Socorros a Náufragos, em Leixões.
Está pois completamente remodelada a estação, passando a oferecer melhores condições de trabalho a uma equipa, cujos níveis de operacionalidade são ímpares no país.
Foi igualmente proporcionada uma melhor área de conforto, para cada vez que se revele necessário o estado de prontidão, ou descanso, para depois do cumprimento das diversas missões de assistência, sempre que são chamados a intervir.
Estiveram presentes na cerimónia diversos convidados, salientando-se o Ministro da Defesa, Dr. Aguiar Branco, o Chefe do Estado Maior da Armada, Almirante Luís Macieira Fragoso, o Vice-Almirante Álvaro Cunha Lopes, o Capitão do porto de Leixões, Capitão-de-Mar-e-Guerra Vítor Martins dos Santos, o Presidente da Câmara Municipal de Matosinhos, Engº Guilherme Pinto e o Presidente do Conselho de Administração da A.P.D.L., Engº Brogueira Dias, entre outras individualidades.

Estação do I.S.N. José Rabumba, em Leixões

O Vice-Almirante Álvaro Cunha Lopes, no uso da palavra, fazendo um resumo histórico das actividades da estação

Um aspecto da assistência

Alocução do Ministro Dr. Aguiar Branco

Momentos de confraternização com os convidados

terça-feira, 30 de Setembro de 2014

Navios portugueses!


O " Lykas "

Encontrei esta notícia com origem nos Açores, como segue:
O vapor português “Lykas” encontra-se a descarregar 4.000 caixas de gasolina e 2.000 caixas mais 300 barris de petróleo para a Vacuum Oil Co.
Ponta Delgada, 18 de Setembro de 1922.
Porque o nome do navio aguçou a minha curiosidade, fui à procura de outros detalhes, tendo constatado que o navio sofreu um pavoroso incêndio no rio Douro, decorrido num período inferior a um mês, após a referida escala na ilha de S. Miguel.

Vapor com 1 mastro construído em ferro “ Lykas “
1921 - 1924
José Garcia Rugeroni, Lda., c/o J. de S. Graça, Lisboa

Imagem sem correspondência ao texto

Nº Oficial: -?- - Iic.: -?- - Porto de registo: Lisboa
Construtor: Blackwood & Gordon, Port Glasgow, Escócia, 06.1881
ex iate de recreio “Thisle”, armado em lugre com 3 mastros
Arqueação: Tab 394,07 tons - Tal 244,87 tons
Dimensões: Pp 56,92 mts - Boca 7,64 mts - Pontal 4,22 mts
Propulsão: B. & Gordon, 1886 - 1:Cp - 2:Ci - 115 Nhp - 8 m/h

Depois de utilizado com embarcação de recreio, durante 40 anos, este antigo lugre foi muito provavelmente transformado em Lisboa em vapor de carga, para ser utilizado no transporte de combustíveis líquidos. Em função das datas dos acontecimentos relatados, o navio terá realizado mais uma viagem com esses produtos, antes de ser colocado a receber novo carregamento, desta feita com destino ao Porto, entrando no rio Douro no dia 13 de Outubro, consignado à firma Kendall, Pinto Basto & Cª., Lda., com carga de 800 caixas com gasolina e alguns barris com óleo e petróleo destinados à Shell.
Pelas 8 horas da manhã do dia seguinte, registou-se uma violenta explosão no carregamento de gasolina estivada no porão da proa. No combate ao incêndio acorreram bombeiros e todas as forças locais disponíveis, contudo não foi possível evitar severas avarias, pelo que precisou ser rebocado pelo “Mars” e pelo “Lusitânia” e levado para o largo, para o manter afastado das zonas habitadas. Devido ao incêndio foi verificado acto contínuo a morte de um trabalhador portuário e ainda 18 feridos com muita gravidade, entre trabalhadores e tripulação, alguns dos quais muito embora hospitalizados, não conseguiram resistir às lesões provocadas pelas queimaduras aquando da explosão.

Tribunais do Comércio do Porto
Presidência do sr. Dr. Marques de Figueiredo, representando o Magistério Publico, o sr. Dr. Casimiro Curado. Como escrivães de serviço, os srs. R. da Silva, Sousa Oliveira e Freire de Liz.
Júri
Organizaram-no os srs. Francisco Ferreira, como relator; José Honório de Castro, João de Castro Carvalho, António Gonçalves Ribeiro, Joaquim José Pomar, João da Costa Gomes, Júlio Gonçalves de Carvalho e Américo de Sousa Soares Estevão, como suplente.

Causas discutidas
Acção – A. Taveira Laidley & Cª., Lda.; réu, Hugo de Almeida
A autora: dona de dois rebocadores, denominados “Douro” e “Leão”, e o réu é não só o capitão, mas também o legítimo representante do armador e proprietário do vapor “Lykas”. Ora, tendo este vapor entrado a barra do Douro, carregado de gasolina e óleos, em Outubro de 1923, quando tratava da descarga, rebentou-lhe a bordo um violento incêndio, com sucessivas explosões de gasolina, por tal forma que a tripulação o abandonou completamente.
Chamados os socorros, logo o “Douro” e o “Leão” avançaram para o local do sinistro, e, contra as ordens da autoridade marítima, num esforço que a A. capitula de heroico, aqueles rebocadores conseguiram atracar ao “Lykas”, saltando-lhe para dentro a tripulação e localizando o fogo nos porões da proa, evitando, assim, que ele se estendesse às carvoeiras, e, dali, aos porões da ré.
Quase dominado o incendio, os dois rebocadores, com o auxílio dum terceiro, arrastaram o “Lykas” para o lado oposto do rio Douro, e ali definitivamente obtiveram a extensão do fogo. Conservou-se o “Douro” atracado ao “Lykas”, desde as 14 horas de 15 de Outubro, até ao dia 20, a esgotar-lhe a água dos porões, para que, depois, a descarga se pudesse realizar, trabalhando também no esgotamento o “Leão”, durante 16 horas. Este ultimo rebocou depois vários barcos, com parte da carga, e um e outro pegaram no “Lykas”, e levaram-no da Afurada para a ponte de descarga da Companhia Shell, onde, durante duas horas, estiveram, no dia 23, a concluir o esgotamento da água dos porões do vapor.
Assim, além dos serviços de assistência, que foram importantíssimos, crê a A. ter direito também a serviços de reboque e esgotamento, os quais, atendendo-se à sua natureza especialíssima, ao zelo extraordinário dos dois rebocadores e respectiva tripulação, ao perigo a que se expuseram e ao valor do “Lykas”, e sua carga, se computam em 100 contos para o “Douro” e 30 para o “Leão”, quanto à assistência, e em 30.750$400 quanto aos demais serviços. Soma total 160.750$400 que a A. quer receber.
Na sua contestação, expõe o réu que o salário de salvação, ou assistência, respeita tanto à embarcação como ao seu carregamento de 7.240 caixas de gasolina e 30 barris de óleo. O óleo salvou-se, bem como 4.000 caixas de gasolina, tudo em valor muito superior ao do vapor, tendo este, como também o frete e a carga de responder pelo salário de salvação, na proporção legal. O réu não representa os carregadores, nem os consignatários da carga, nem qualquer Companhia de seguros por esta responsável.
Além disso, na extinção do incêndio não trabalharam só alguns tripulantes dos rebocadores “Douro” e “Leão”; cooperaram também os tripulantes do “Lykas”, o vapor “Lusitânia” e uma bomba do município do Porto, sendo certo que o fogo não podia comunicar-se aos porões do vapor, por isso que este os não tinha, mas apenas alojamentos. No reboque para a Afurada intervieram o “Luzitânia” e o “Mars”.
Deve ter-se em vista que o “Lykas” é uma embarcação pequena e muito antiga, e o seu valor, depois do desastre, ficou sendo apenas de 150 contos. Os rebocadores “Douro” e “Leão” são muito pequenos, valendo aquele cerca de 150 contos e este uma quantia inferior. Conclui, consignando que os serviços por eles prestados não devem ser arbitrados em mais de 40 contos.
Advogados, os srs. Dr. Alberto Temudo e Pinto de Mesquita; procuradores, os srs. A.A. de Oliveira e Aníbal Vaz. Procedente, por 30 contos.

Acção – A. Abel Martins Pinto; réu, Hugo de Almeida, capitão do vapor “Lykas”
O rebocador “Lusitânia” é propriedade do autor. Ora, em Outubro de 1923, achando-se o “Lykas” com fogo a bordo, e não obstante o perigo que a atracação oferecia, vistas as continuas explosões de gasolina, o “Lusitânia” conseguiu realizá-la e passou desde logo a atacar o incêndio, estabelecendo duas agulhetas e trabalhando sem interrupção durante algumas horas. O “Lykas” foi rebocado para a margem esquerda, no sítio da Afurada, e este serviço não foi dos menos difíceis, em razão de não ser possível suspender as âncoras da proa do “Lykas”, pelo que teve de as levar de rastos com ele.
Em 20 de Outubro, já o “Lykas” fundeado no local onde o encontrara o “Lusitânia”, sobreveio um grande temporal que o obrigou a garrar, e, encostado a uma prancha, deitou-a abaixo, ficando a bater nas pedras e em situação deveras perigosa. Pediu o capitão socorro, e, imediatamente, o “Lusitânia” lho prestou, apesar da violência do temporal, conseguindo tirá-lo da posição critica em que se colocara e conduzi-lo para o lugar do Cavaco, onde ficou amarrado convenientemente.
Nestas circunstâncias, entende o A. haver lugar a salário de salvação e assistência, a qual, atendendo à natureza dos serviços prestados, no zelo empregado, tempo gasto, número de pessoas que intervieram activamente, perigos iminentes, valor do “Lykas” e dos objectos salvos, computa em 115 contos.
A defesa consigna que o salário de salvação e assistência, respeita tanto à carga como ao casco; a carga era composta de 7.240 caixas de gasolina e 30 barris de óleo, que se salvaram e tinham um valor superior ao do navio. Tem de responder por ele, conseguintemente, o vapor, o frete e a carga. O réu não representa os carregadores ou os destinatários da carga, nem qualquer Companhia de seguros. Além disso, as primeiras embarcações que apareceram a prestar socorro foram os rebocadores “Leão” e “Douro”, que levaram o “Lykas” mais para o largo e atacaram o incendio, cooperando no serviço os bombeiros municipais.
Para ultimação dos trabalhos da extinção, foi o “Lykas” rebocado para a Afurada pelo “Lusitânia” e pelo “Mars”. O “Lykas” não esteve em risco de bater nas pedras e perder-se, e não foi ele que deitou abaixo a prancha, mas sim os batelões que batendo-lhe de encontro, a fizeram desabar. Os serviços prestados pelo “Lusitânia”, “Leão” e “Douro” foram de assistência e não de salvação. De resto o “Lykas” é uma embarcação velha, e o seu valor, depois do desastre, é de 150 contos. O “Lusitânia” é igualmente um velho rebocador, cujo valor não excede 200 contos. Em conclusão: os serviços do “Lusitânia” não valem mais de 25 contos, que deverão ser pagos proporcionalmente pelo vapor e pela carga. Houve réplica e tréplica.
Foram advogados, os srs Drs. Figueira de Andrade e Pinto de Mesquita; procuradores, os srs. Adrião Santos e Aníbal Vaz. Procedente, de facto, pela quantia de 30 contos.

Apesar do casco ter ficado fragilizado pelo incêndio, o vapor foi reparado e mantido a operar no transporte de combustíveis até 1924, ano em que foi colocado à venda. Nesse mesmo ano mudou de proprietário, passando desde então a navegar com as seguintes características:

Vapor com 1 mastro construído em ferro “ Argus “
1924 - 1927
Sociedade de Navegação Argus, Lda., Lisboa

Nº Oficial: 435-E - Iic.: H.A.R.U. - Porto de registo: Lisboa
Construtor: Blackwood & Gordon, Port Glasgow, Escócia, 06.1881
ex iate “Thisle”, armado em lugre com 3 mastros, 1881-1921
ex “Lykas”, José Garcia Rugeroni, Lda., Lisboa, 1921-1924
Arqueação: Tab 394,07 tons - Tal 244,87 tons
Dimensões: Pp 56,92 mts - Boca 7,64 mts - Pontal 4,22 mts
Propulsão: B. & Gordon, 1886 - 1:Cp - 2:Ci - 115 Nhp - 8 m/h
Vendido para demolir possivelmente em Lisboa, durante o 1º semestre de 1927.

domingo, 28 de Setembro de 2014

Imagem do dia!


Confirmado o novo recorde de escalas

Nesta data dão-se por concluídas as 21 visitas de navios de passageiros, que estavam previstas para o mês de Setembro no porto de Leixões. Foi como se compreende um salto qualitativo em relação aos anos anteriores, sobressaindo de igual forma um substancial aumento no número de passageiros.
Foram facto de relevo as escalas de dois navios da Tui Cruises, os "Mein Schiff 1 e 3", este em plena viagem inaugural, dos 3 navios da Holland America Line e dos dois navios da Costa Cruises, entre os quais o magnifico "Costa Luminosa". E porque o ano não termina agora Leixões irá ainda acolher outros navios, muito embora diminua o excelente ritmo de escalas verificado neste período.
É pois sintomático, que o nível de crescimento apresente valores que apontam para novos recordes já a partir do próximo ano, tendo principalmente em linha de conta, que os trabalhos de construção do edifício onde está instalada a gare marítima está em fase de conclusão, estando prevista a sua inauguração no decorrer dos próximos meses.

O regresso do "Celebrity Infinity" a Leixões,
em viagem desde Vigo, tendo saído com destino a Harwich

sábado, 27 de Setembro de 2014

Imagens do dia!


Hoje, em Leixões...

Mais um navio, o "Mein Schiff 1", efectuou a primeira escala no porto, com a sorte de encontrar por cá um dia solarengo, quente e sem vento.

O navio de passageiros "Mein Schiff 1",
em viagem desde a Corunha, saindo com destino a Lisboa

Embarcações de recreio

Conjunto de "Optimists" do Clube de Vela Atlântico

Encontro de pequenos barcos, comandados por jovens velajadores, numa regata que prometia animação e que resultou frustada pela falta de vento. Daí que a ninhada de "optimists" se viu rebocada para as instalações do clube, onde ansiosamente irão esperar por brisas favoráveis às suas navegações.

O iate "Funtastic", registado em Leixões

Com o proprietário e o seu fiel amigo, na proa do barco, em pose, de tal forma que parece indicar o caminho de regresso ao cais, depois de um passeio breve, dando provas de exímio marinheiro.

Embarcação de pesca

"Mestre Feiteira"

Navios porta-contentores, vistos a chegar e a partir do porto

O "Berit"

O "Conmar Elbe"

E o "Wec Brueghel"

Terminada a visita, o "Mein Schiff 1", já caminho de Lisboa

sábado, 20 de Setembro de 2014

Imagem do dia!


No dia do porto de Leixões

Uma verdadeira romaria, que se contabilizou em vários milhares de pessoas, aceitou o convite da Administração do porto de Leixões, para visitar as instalações portuárias, em passeios programados e comodamente instalados em autocarros turísticos, colocados à disposição da população.
Houve a rara oportunidade de perceber como funcionam os rebocadores, apreciar maquetes de navios em operação portuária, uma máquina de caminho de ferro a vapor, outrora em uso para transporte de mercadorias, maquetes de casas e monumentos históricos da cidade expostos a propósito, numa coletanea subjacente ao titulo "Focando o Porto", e ainda ajuizar de perto as melhores fotografias da doca, que foram apresentadas a concurso.
Um parque preparado para crianças, com diversos escorregas insuflaveis, possibilitou aos mais novos um dia pleno de divertimento e os menos jovens acorreram em massa, durante a tarde, para assistir aos concertos dos "X4U" e dos "Mind da Gap".
E como normalmente acontece os visitantes foram ainda premiados com "t-shirts" e chapéus de palha, que se revelaram uteis enquanto testemunhavam o esforço da grossa coluna de participantes, na corrida a celebrar este dia tão especial.

A corveta N.R.P."Jacinto Candido", em Leixões

Além das múltiplas atrações já citadas, também a Petrogal quis colaborar na festa, abrindo o corredor do Terminal Petrolífero para visitas, e a Marinha através da corveta "Jacinto Candido" mereceu grande interesse, comprovado pela imagem acima documentada, situação que se repete cada vez que os navios da Armada podem ser apreciados de perto.
Como já previramos o porto de Leixões viveu mais um dia inesquecível, a confirmar do interesse das pessoas pela fronteira marítima, pelos navios e seguramente pelo mar, que lhes está vedado nos restantes dias do ano.
Está portanto de parabéns a Administração do porto por manter viva esta iniciativa, sem esquecer o caudal de funcionários da empresa presentes nos diversos locais, sempre atentos, solícitos e prestáveis, a cada ocasião que se revelaram oportunas ou necessárias as explicações de circunstância.