domingo, 17 de novembro de 2019

Histórias do mar português!


A tragédia da barca "Bahiana"
(continuação)

Desenho de uma barca sem correspondência ao texto

Características do navio
Armador: Joaquim Lourenço Alves e outros
Nº Oficial: N/t - Iic: H.B.J.V. - Porto de registo: Porto
Arqueação: Tab 305,291 m3
Dimensões: Informação indisponível
Propulsão: À vela
O navio consta do registo de navios portugueses até 1872, não havendo notícia de ter sofrido qualquer sinistro ou naufrágio nos anos que se seguiram. Porém, porque não está presente nas páginas do registo referente ao ano de 1875, é presumível a possibilidade de eventual abandono por motivo de inavegabilidade, sendo considerado sem rasto.


Barca “Bahiana"
Sr. Redactor,
Muito me obsequeia V. se fizer publicar no seu jornal a seguinte carta que n’esta data dirijo ao Sr. José dos Santos Lessa Júnior, capitão da barca "Bahiana".
De V., etc., Joaquim Duarte de Mattos, S.C., 20 de Maio de 1868
Illmº Sr. José dos Santos Lessa Júnior,
Conceda-me que não deixe passar despercebido seu grande feito, empregando o mais louvável dos zelos para trazer a bom porto a barca "Bahiana" do seu commando.
Dizer que esta barca ficou raza dos mastros grande e do traquete, e auxiliada apenas pelo mastro da gata, único que foi poupado pelo temporal que o assaltou na latitude N. 40º57’ e longitude O. 25º55’ do meridiano de Greenwich, que apesar da distancia em que tal fatalidade se deu V.S.ª recusou os espontâneos socorros que lhe foram oferecidos por três navios de diferentes nações, inclusive por um vapor inglez, que generosamente se prestou a recolher a tripulação e a deita-la em Londres, para onde navegava; que prosseguiu a sua derrota em quasi completo estado de innavegabilidade, gastando no trajecto d‘aquella paragem para o Porto 15 dias; é o suficiente para fazer o elogio de V.S.ª como denodado capitão da barca «Bahiana», propriedade do Sr. Joaquim Lourenço Alves e de V.S.ª.
Honra, pois, a quem tão bem sabe comprehender o sagrado dever de conservar e entregar o que se lhe confia, sujeitando-se a toda a classe de trabalhos, e pondo em risco a própria vida! Se os grandes feitos merecem de todos admiração e louvor, subido é o merecimento de V.S.ª, por seus valiosos serviços, trazendo a bom porto atravez de tantas difficuldades o navio e o seu importante carregamento.
À sua tripulação coube também boa parte de tão admirável feito, pelo valor com que se houveram os bravos marinheiros, coadjuvando o empenho do seu digno capitão, esquecendo-se acharem-se no largo Oceano, e n’uma embarcação na situação mais critica que de um para outro momento mais precária se poderia tornar, e talvez em occasião de não ter generosos salvadores!
Não me leve V.S.ª a mal o dizer-lhe que, na minha opinião, bem merecem capitão e tripulantes da «Bahiana», por tão assignalada coragem, das companhias seguradoras, remuneração condigna de seu alto serviço.
De mim, Sr. capitão Lessa Júnior, acceite por tão brilhante acção os mais cordeaes respeitos e a mais profunda admiração, e solicitando a sua permissão para que publique esta carta pela imprensa, rogo-lhe me conceda também o prazer de assignar-me
De V.S.ª, amigo muito dedicado, Joaquim Duarte de Mattos,
S.C., no Porto, 20 de Maio de 1868.
Jornal "Comércio do Porto", sábado, 23 de Maio de 1868

Barca "Bahiana"
Snr. Redactor,
Rogo-lhe o obséquio de fazer inserir no seu acreditado jornal a cópia da carta que dirigi ao Ill.mº Snr. Joaquim Duarte de Mattos, pelo que me confesso agradecido.
De V.S.ª, etc., José dos Santos Lessa Júnior, Porto, 23 de Maio de 1868
Ill.mo snr. Joaquim Duarte de Mattos,
Penhorado com a honrosa expressão da carta de V.S.ª de 20 do corrente, permitta-me que lhe responda, e que como amigo lhe tribute os meus mais sinceros agradecimentos.
O facto que V.s.ª n’ella assignala, praticado por a tripulação da barca portugueza «Bahiana» do meu commando, não foi mais que a imperiosa obrigação do seu dever.
Se não acceitei os valiosos auxílios que vários navios me offereceram, quando eu no alto mar, depois de um violento temporal, me achei com o meu navio desarvorado, foi porque, resolvido a não o abandonar, enquanto o mar me conservasse duas táboas unidas, entendia que era alli o meu lugar, e crente que Deus nos levaria ao porto de nosso destino esperávamos salvar-nos ou morrer com a «Bahiana».
Devo dizer a V.s.ª que esta minha resolução foi logo abraçada pelos meus bravos marinheiros, e que se d’isto me resulta algum louvor, por certo que a maior parte pertence à corajosa tripulação da «Bahiana». Foi assim que só com duas pobres velas que nos haviam ficado da tormenta navegamos por espaço de 15 dias, não poupando esforços e trabalhos, sempre com esperança de vermos a cada momento surgir-nos no horizonte a desejada terra da nossa pátria.
Essa esperança do marinheiro quasi náufrago tornou-a Deus em realidade, e hoje que vejo o meu navio seguro no porto do seu destino, considero-me feliz por ver que a nossa resolução fôra coroada com tão bom êxito.
Renovando os meus agradecimentos e os de toda a tripulação pelas benévolas expressões da sua carta, creia-me sempre seu sincero amigo e obrigado.
José dos Santos Lessa Júnior Porto, 22 de Maio de 1868 (274)
Jornal "Comércio do Porto", Domingo, 24 de Maio de 1868

Conclusão
Decorridos todos estes anos sobre este acontecimento, que não é invulgar, sou de parecer que o texto do livro publicado no post anterior, merece uma pequena análise, na convicção de, ainda que de forma especulativa, tentar entender o desfecho desta aventura.
Começo por discordar do título escolhido, por concluir que a história possui uma forte dimensão dramática, mas não tragédia, porque apesar da violência retratada por força da tempestade, não houve vítimas e o navio apesar das avarias sobreviveu ao naufrágio.
Não se entende também qual o motivo para o autor do livro, jornalista e escritor de mérito reconhecido, tentar camuflar a evidência de seu pai ser o principal interveniente, daí resultando o conhecimento de pormenores vividos apenas por quem se encontrava a bordo, e que são de suma importância, como é o caso do capitão ter tido necessidade de estar armado, para se fazer respeitar, obrigando a tripulação em pânico a fazer cumprir as ordens por si emanadas.
Para terminar, uma última nota para chamar a atenção sobre o comportamento do capitão Santos Lessa Júnior, considerando ser simultâneamente co-proprietário da barca "Bahiana", o que justifica ter resistido até ao limite para salvar o navio, face à provável inexistência de seguro, e mesmo quando é sugerido às empresas de seguros remunerar condignamente a tripulação, está apenas a ser lembrado o empenho posto no salvamento das mercadorias transportadas.

sexta-feira, 15 de novembro de 2019

Histórias do mar português!


A tragédia da barca "Bahiana"

Senhor de Matozinhos! Que recordações dolorosas ao
invocar o teu nome, soluça esta multidão imensa, que ajoelha a teus pés,  implorando a tua misericórdia.
Senhor de Matozinhos! Como é consolador levantar o coração angustiado, numa prece de gratidão, sob a mansidão do teu olhar, à luz amortecida dos círios que a fé dos crentes acendeu no teu altar florido!
Senhor de Matozinhos! Esperança dos que se arrojam
ao mar, levando a tua «silhouette» no coração, pronunciando o teu nome ao arrear da bandeira de bordo, à hora solene das Avé-Marias, quando o véu negro da noite, constelado de mil lumes, cobre a nau venturosa, a caminho de terras de Santa-Cruz!
Senhor de Matozinhos! Senhor de Matozinhos!

A história do Bom Jesus de Matozinhos está por fazer. Os cronistas, os escritores, os historiadores, os jornalistas, todos aqueles que se teem ocupado da Imagem do Bom Jesus de Matozinhos, em livros, em revistas ou artigos de jornais, não nos veem trazer novos ensinamentos além dos que a lenda nos relata: - que a Imagem foi esculpida por Nicodemus, o discípulo amado de Jesus, que apareceu na praia do Espinheiro sem um braço, etc.
Entretanto, a sua história, ou melhor dizendo, a história da crença que se formou à volta do seu nome, está bem visível e bem patente; basta que analisemos detalhadamente essas dezenas de oleografias que adornam as paredes da Casa dos Milagres da Confraria do Bom Jesus de Matozinhos, para que diante de nós ela se desenrole, eloquentemente pormenorizada e documentada.
Há tempos, cometeu-se a barbaridade de se mandarem retocar esses pequenos quadros; e essa ordem inconsciente e absurda, encontrando logo um carrasco que a executasse, foi cumprida tão à risca, que se chegou a alterar a ortografia das legendas de alguns deles e a apagar-se, em todos, os vestígios da acção corrosiva do tempo, tirando-se-lhes todo o valor! Esses quadros aparecem-nos agora com as suas cores irritantes de figuras de passar!
São doentes incuráveis que se mostram no seu leito de dor e a quem uma promessa ao Bom Jesus, fez restituiu a saúde.
São cavaleiros audazes, correndo à desfilada por ribanceiras íngremes, que se despenham, que rolam, que se confundam com a lama do abismo onde caem e que, no fim, se erguem ilesos, a beijar o crucifixo que escondiam no peito, de joelhos sobre o arcaboiço, ainda quente, do ginete morto.
São soldados simples das aldeias de Portugal, a quem a guerra chamou às fileiras do regimento e que, no calor da peleja, quando o sangue generoso dos camaradas jorra abundantemente das feridas da baioneta inimiga, saem salvos do campo de batalha, erguendo ao céu, em ansias de devoção e fé, o escapulário que no momento da partida, as mães ou as noivas lhe colocaram ao peito.
São, sobretudo, navegantes, que no alto mar, quando a tempestade desbarata a mastreação e o vento furiosamente despedaça as velas, que de joelhos imploram a misericórdia do Bom Jesus; e a violência do vento, o turbilhão incessante da vaga alterada que envolve a embarcação quase a afundar-se, tornam-se, de repente, numa brisa suave e mansa que embala o navio e num lençol branco de espuma que lhe beija o costado, como que a tatear-lhe as feridas de bálsamo cicatrizante.

* * *
Ao analisarmos a galeria desses pequenos quadros, recordamo-nos da tragédia da barca "Bahiana", da praça do Porto, ocorrida há uns bons sessenta anos.
A barca "Bahiana", de 385 toneladas, de que era proprietário Joaquim Lourenço Alves, residente à beira rio, nas imediações da Reboleira, fazia viagens entre o Porto e a Bahia.
No regresso de uma delas, surge a tempestade!
A "Bahiana", comandada por um velho lobo do mar, natural de Matozinhos, foi resistindo ao tempo, até que a violência do furacão lhe cortou a mastreação; as velas, feitas em pedaços, voaram, levadas pelo vento; e o forte arcaboiço de madeira e ferro da barca portuense, recebia em cheio a pancada da onda, que porfiava desconjuntá-la, dando-lhe por sepultura o fundo misterioso do mar.
A tripulação desvairada, já não obedecia às ordens de comando; alguns marinheiros correram à arrecadação para se embriagarem; o capitão, armado, impunha-lhes o cumprimento das suas determinações; mas a barca já metia água; estava tudo perdido; só restava morrer!
Amainara o temporal; mas de que valia, se não havia um mastro, se não havia uma vela, se o leme se tinha partido e se a tripulação não obedecia?
Então o moço de bordo, João Rodrigues Maia, um rapaz de quinze anos, quase nú, ensaguentado pelos ferimentos que recebera nas manobras do convés, corre ao porão, desvairado; descobre, enrolada, uma vela nova; toma-a nos braços musculosos, sobe ao convés e grita:
- Meu capitão! Estamos salvos! Aqui está uma vela!
Nos olhos do velho marinheiro brincaram duas lágrimas de raiva.
- Sim, exclamou: de que nos serve a vela se não temos mastros?
- Ainda ali se ergue metade do da proa! Deus é connosco! E desenrolava a vela, onde um fio de sangue desenhara uma cruz rubra.
Os marinheiros colocaram-na, então, segundo as indicações do seu comandante; lá em baixo, o carpinteiro de bordo, Manuel Fernandes Ferreira, calafetava o arcaboiço da barca, por onde entrava um fio de água, alagando os porões; o capitão, descendo ao seu beliche, subira seguidamente ao convés.
Uma vez ali, reunida a tripulação, todos se descobriram e ajoelharam; o capitão, avançando para a vela armada no topo do pequeno mastro da proa que o furacão mutilara, pregara-lhe, ao centro, uma estampa do Bom Jesus de Matozinhos, que sempre trazia enrolada no escaninho da sua caixa de madeira.
Ouviu-se, então, o murmúrio de uma oração, como ao descerrar o Santíssimo nos lausperenes da Sé Catedral; a marinhagem chorava; e o seu soluçar, misturava-se com os compassos de uma canção religiosa, muito em voga entre a gente do mar: - o Bemdito.
Depois da tempestade, surge sempre a bonança; assim sucedeu; e a "Bahiana" muitos dias depois, entrava, desarvorada, a barra do Porto, fundeando em frente a Massarelos.
A gente da cidade, ao saber do sucedido, acorrera, alarmada, à margem do rio; momentos depois, desembarcava a tripulação e formava-se, na estrada de Massarelos, um comovente cortejo.
A marinhagem da "Bahiana", descoberta e descalça, como nas manobras do convés em dias de borrasca, com sua roupa de oleado negro e lustroso, tomava sobre seus ombros a vela salvadora, ao centro da qual se via, quase esfarrapada, a estampa do Bom Jesus! Dirigia-se, a pé, ao Santuário de Matozinhos, onde ia oferecer ao Bom Jesus, a vela da sua barca.
À frente, abrindo o cortejo, caminhava o moço João Rodrigues; ladeando a vela, o contra-mestre e a marinhagem; o capitão fechava o cortejo. Pelo caminho, que uma poeira branca tapetava, a «silhouette» negra dos marinheiros dava um tom de tristeza àquele prestito; e pela estrada fora, a voz triste dos marujos entoando o Bemdito, fazia chorar...
São todas, como esta, as histórias que nos contam aquelas dezenas de quadros a óleo, pendentes das paredes da Casa dos Milagres, outrora enagrecidos pelo tempo e aos quais o espírito modernizador desta geração de inconscientes, mandou encarnar de cores berrantes de figuras de passar!...
* * *
A propósito da tragédia da "Bahiana" existem as seguintes notas, que vêm autenticar a sua absoluta veracidade.
Do Registo de Entradas e Saídas da Barra do Porto, da Associação Comercial da cidade, referidas a 8 e 9 de Maio de 1868, publicadas no jornal "Comércio do Porto"


Às 10 horas da manhã do dia 8 do corrente a barca "Bahiana" apareceu ao norte, vindo arribada e desarvorada com bandeira à proa e sem gurupés, sendo pilotada no dia seguinte, âs 2 horas e 50 da tarde, entrando no Douro, a reboque, trazendo um carregamento de açucar e vários géneros, vinda da Bahia com 59 dias de viagem.
* * *
A barca "Bahiana"
Entrou ante-ontem a barra, a barca "Bahiana", procedente da Bahia, com 59 dias de viagem. A "Bahiana" veio desarvorada. Foi causa de perder a mastreação um violento furacão de que foi acossada no dia 23 do mês passado, na latitude 41ºN e longitude 25ºW.
Trazia então 43 dias de viagem, pois havia saído da Bahia a 12 de Março. A "Bahiana" tendo desarvorado, andou 60 horas à discrição, até que, improvisadamente mastreada com os recursos que havia a bordo, rumou a Norte e pode conseguir entrar no porto que demandava!
Não se passou, porém, tudo isto tão simplesmente, que a tripulação, quando o navio foi desarvorado, não corresse o risco de perecer.
Jornal "Comércio do Porto", Nº 108, de 12 de Maio de 1868

Bibliografia
Lessa, Santos, Alvoradas de Fé, pp 29-41, edição do jornal "O Comércio de Leixões", 1928
= Continua =

quarta-feira, 13 de novembro de 2019

Divulgação!


Comemoração do Dia Nacional do Mar
= O Mar Oceano à Descoberta do Mundo =
Alfândega Régia - Museu de Construção Naval
Vila do Conde, 16 de Novembro de 2019


terça-feira, 12 de novembro de 2019

Leixões na rota do turismo! (13-19)


Navios em porto nos restantes dias do mês de Outubro

Este período foi muito identico ao anterior, com uma agradavel quantidade de navios de visita ao porto, apesar de em alguns dias o mar já apresentar alguma ondulação, o que viria a condicionar a escala do navio "Variety Voyager", em função das suas reduzidas dimensões. Registaram-se com habitual agrado a primeira escala do navio "Spirit of Discovery", da companhia inglesa Saga Cruises, que está em fase de renovação da frota, e o regresso do antigo navio "Prinsedam", da Holland America Cruises, agora a navegar com o nome "Amera, operado pela companhia alemã Phoenix Reisen, de Bona.
Por motivo da minha ausência da cidade, que aconteceu precisamente no dia 14, não tive a oportunidade de fotografar os navios que visitaram Leixões pela primeira vez, pelo que recorri por empréstimo aos colecionadores das mesmas, citados nos espaços respectivos, com os meus agradecimentos.

Navio de passageiros "Europa 2"
No dia 13, veio procedente da Corunha, saiu para a Praia da Vitória

Navio de passageiros "Amera"
No dia 14, chegou procedente de Bilbao, tendo saído para Lisboa
Foto de Helge Massmann publicada no Marine Traffic

Navio de passageiros "Spirit of Discovery"
Também no dia 14, veio procedente da Corunha, saindo para Lisboa
Foto do construtor firma Meyer Werft, Papenburg, Alemanha

Navio de passageiros "Viking Jupiter"
No dia 15, chegou proveniente de Falmouth, seguindo para Malaga

Navio de passageiros "Artania"
No dia 16, veio de Villagarcia, tendo saído para a Praia da Vitória

Navio de passageiros "Europa"
No dia 19, chegou procedente de Honfleur, seguindo para Lisboa

Navio de passageiros "Astor"
No dia 24, veio procedente de Torquay, saiu para a Praia da Vitória

Navio de passageiros "Horizon"
No dia 30, chegou procedente de Casablanca, seguindo para Lisboa

Navio de passageiros "Ventura"
No dia 31, veio de Lisboa, saindo com destino a Cherbourg

domingo, 10 de novembro de 2019

Divulgação!


Jornada comemorativa do Dia Nacional do Mar 2019
Vila do Conde - Lisboa


segunda-feira, 4 de novembro de 2019

Leixões na rota do turismo! (12-19)


Navios em porto na primeira quinzena de Outubro

Na oportunidade devo referir o meu desconhecimento, relativamente à possibilidade do período corresponder de forma excelente, ou não, às expectativas criadas quanto à capacidade de oferta e acessos postos à disposição dos navios que vem de visita ao porto.
O mês apresentou-se com números de escalas interessantes, e podia até ter sido melhor, se as condições de tempo estivessem propícias às necessarias condições de segurança na navegação, principalmente quando se trata de navios de passageiros de menores dimensões.
Não posso negar que tinha vontade de ter visto em porto o navio norueguês "Fridtjof Nansen", em escala inaugural, o que lamento, porém, imprevisívelmente, a visita também em escala inaugural, do navio alemão "Hanseatic Nature", compensou o anterior cancelamento.
Acresce que este navio prolongou a estadia em porto, esperando por melhor condição de tempo, a fim de evitar o encontro com forte ondulação e ventos provientes do furacão «Lorenzo», durante a viagem programada com destino aos Açores.

Navio de passageiros "Seven Seas Explorer"
No dia 1, chegou procedente da Corunha, tendo saído para Lisboa

Navio de passageiros "Viking Sky"
Também no dia 1, veio de Falmouth, seguindo para Malaga

Navio de passageiros "Star Breeze"
No dia 2, chegou procedente do Ferrol, tendo saído para Lisboa

Navio de passageiros "Hanseatic Nature"
Ainda no dia 2, veio da Corunha, saindo para Angra do Heroísmo

Navio de passageiros "Aida Vita"
No dia 3, chegou procedente da Corunha, tendo saído para Lisboa

Navio de passageiros "Artania"
Também no dia 3, chegou do Ferrol, seguindo para Lisboa

Navio de passageiros "Clio"
No dia 6, Chegou procedente de Vigo, tendo saído para Lisboa

Navio de passageiros "Black Watch"
No dia 9, veio procedente de Setúbal, seguindo para Liverpool

Navio de passageiros "Seabourne Ovation"
No dia 11, chegou procedente de Lisboa, tendo saído para a Corunha

quarta-feira, 23 de outubro de 2019

História trágico-marítima! (CCCXIII)


O encalhe do navio "Lucia del Mar", na barra de Leixões

No dia 14 de Agosto de 1981, por volta das 07.05 horas da manhã, o navio porta-contentores espanhol da Iberolinhas "Lucia del Mar", encalhou do lado norte da barra do porto de Leixões.
A causa do sinistro deve-se ao denso nevoeiro que durante a manhã baixou sobre a costa, aliado ao facto da maré estar baixa, obrigando à imobilização do navio durante três horas, assente sobre os tubos submersos de combustivel da Shell, junto ao Terminal de Petroleiros.

Foto do navio encalhado, ainda sob o efeito do nevoeiro
Minha colecção

Características do porta-contentores "Lucia del Mar"
Armador: Equimar Marítima, S.A., Bilbao
Construtor: Enrique Lorenzo y Cia., S.A., Vigo, 1978
ex "Lucia del Mar", Equimar Marítima S.A., Bilbao
ex "Seatrain Spain", fretado pela Seatrain, Espanha
Arqueação: Tab 9.185,00 tons - Tal 7.373,00 tons
Dimensões: Pp 164,80 mts - Boca 20,01 mts - Pontal 7,00 mts
Propulsão: Máquina MAN - 12:Ci - 8.952 Kw - 12.000 Bhp - 19 m/h

Foto das manobras de desencalhe, referidas no texto
Minha colecção

Na manobra de desencalhe foram utilizados cinco rebocadores da A.P.D.L. que, conjugando a força dos seus motores, conseguiram retirar o navio dum fundo de areia e lodo, em que se atolara.
Após estas manobras que se revelaram determinantes para safar o navio, o "Lucia del Mar", accionando a máquina a toda a força, fez marcha à ré, indo atracar no Posto A do Terminal de Petroleiros.
Neste local, uma equipa de mergulhadores fez uma detalhada inspecção ao casco, não tendo sido detectado qualquer rombo, obtendo por esse motivo, pelas 13 horas, autorização para atracar no Terminal de Contentores, onde viria a efectuar as normais operações portuárias.